Como controlar os custos de pedágio em viagens interestaduais?

11/08/2021

Os motoristas de caminhão que fazem viagens interestaduais sempre se deparam com as praças de pedágio. Mas, e aí, quem é que paga esta tarifa?

Bem, de acordo com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o pagamento do pedágio é de responsabilidade do embarcador, ou seja, da pessoa que contrata o serviço.

O problema é que, durante anos, o valor do pedágio e o frete eram calculados juntos e os motoristas ficavam no prejuízo, porque havia incidência de impostos sobre o valor total (frete + pedágio), reduzindo o montante a ser recebido.

Ainda bem que este problema está chegando ao fim! Veja a seguir como a implantação do vale-pedágio pela ANTT aumenta a segurança no fechamento de negócios entre embarcadores e transportadoras.

Viagens interestaduais com mais tranquilidade e segurança

Chega de tirar o dinheiro do pedágio do valor total do frete!

Com a chegada do vale-pedágio, o embarcador, que é o transportador ou a indústria dona da carga, paga a tarifa de maneira antecipada para a empresa de transporte. Assim, os valores são colocados no cartão vale-pedágio ou TAG para que o caminhoneiro faça o pagamento nas guaritas e realize as viagens com tranquilidade.

Esta organização teve início com a Lei nº 10.209, de 2001, e ficou ainda melhor quando a ANTT definiu as normas para o uso do vale-pedágio, por meio da Resolução ANTT nº 2.885, de 09 de setembro de 2008.

Viagens Interestaduais Vale Padágio

 

Para começar, foi definido que frete é uma coisa, e pedágio é outra. Assim, as empresas de transporte passaram a pagar menos impostos, porque as tarifas não incidem mais sobre o valor total. Agora, é só fazer os cálculos do que é cobrado pelo serviço e dos pedágios de forma separada.

O caminhoneiro também não sai mais no prejuízo, pois recebe o dinheiro do pedágio separado do valor de serviço. Ou seja, acabou a história de somar frete + pedágio, retirar a parte de impostos e obrigar o motorista a tirar parte da sua remuneração para inteirar o valor do pedágio nas viagens interestaduais (ou qualquer outra estrada que libere o acesso mediante pagamento).

Os embarcadores também se beneficiaram do vale-pedágio, sabia? Afinal de contas, eles passaram a confiar (e acompanhar por sistemas de rastreamento de carga) na rota que o caminhoneiro vai fazer. Antes, para fugir do pagamento das tarifas nas estradas, os condutores pegavam atalhos perigosos, colocando em risco a própria segurança e a integridade da carga.

Outra vantagem é a previsibilidade do custo do pedágio. Isso porque, antes, os embarcadores não tinham total domínio do valor referente a esta parte do transporte, uma vez que efetuava o pagamento via frete. Agora conseguem identificar os valores com mais clareza e fazer um planejamento mais correto do seu negócio.

Toda essa nova tramitação deve ser registrada no Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) e anexar o comprovante. A fiscalização é feita pela própria ANTT, por meio de mapeamento inteligente, e as irregularidades resultam no pagamento de multas!

LEIA MAIS: Motorista de caminhão: como fugir da informalidade

E como obter o vale-pedágio para usar em viagens interestaduais e outras estradas pelo Brasil?

Ah, é muito simples! Basta a empresa de transportes firmar parceria com alguma Instituição de Pagamento Eletrônico de Frete (IPEF), como a PagBem. Temos postos credenciados espalhados por todo o Brasil, onde o caminhoneiro pode carregar o cartão do vale-pedágio e efetuar o pagamento das tarifas durante a viagem.

Caso o caminhoneiro tenha um TAG do Sem Parar na placa do veículo, o valor do pedágio pode ser recebido via online em qualquer parte do Brasil, sem a necessidade de ir até uma filial ou posto para carregar o valor do pedágio no cartão. Esta certamente é um importante diferencial que influencia positivamente na produtividade do motorista e facilita o dia a dia do contratante.

Criada em 2015 com a missão de facilitar a administração de frete rodoviário e pedágio, a PagBem oferece soluções financeiras, tecnológicas e de pagamento para toda a cadeia envolvida no transporte, sejam caminhoneiros, transportadoras, operadores logísticos ou embarcadores.

Para conhecer melhor todas as soluções da PagBem, entre em contato conosco.

Posts recentes

Qual a importância dos dados nas operações logísticas?

Qual a importância dos dados nas operações logísticas?

Olhar uma planilha repleta de números pode assustar em um primeiro momento. Mas as empresas que buscam novos caminhos para melhorar suas operações logísticas sabem que a interpretação destes dados é uma atividade que não pode mais ser deixada de lado. Saber analisar...

E-commerce: como melhorar o serviço de transporte de mercadorias

E-commerce: como melhorar o serviço de transporte de mercadorias

Pegar o celular ou notebook e acessar uma página de e-commerce para comprar algum produto ou serviço já faz parte do dia a dia de boa parte dos brasileiros. Afinal de contas, é muito prático dar alguns cliques e esperar a encomenda chegar em casa, não é verdade? Mas...

Preço do diesel: como isso impacta o serviço de transporte rodoviário?

Preço do diesel: como isso impacta o serviço de transporte rodoviário?

Quem trabalha com transporte rodoviário já sabe que o diesel ocupa o topo do ranking na lista de despesas, comendo uma fatia de mais de 50% do orçamento. Mas, há alguns meses, o combustível tem gerado dores de cabeça ainda mais intensas. De janeiro a julho de 2021, já...

Receba nosso conteudo em primeira mão.

Close Bitnami banner
Bitnami