Festas juninas e a importância do serviço de transporte

11/05/2022

Poucas celebrações no Brasil são tão aguardadas quanto a festa junina. Ainda mais este ano, que marca o retorno das quermesses depois de um longo período sem festejos por causa da pandemia de Covid-19.

No nordeste, onde a festa de São João é tradicional – e patrimônio cultural –, diversas cidades já confirmaram eventos com muita música e comida boa. Com o avanço na vacinação, queda da obrigatoriedade de máscaras e dos números da Covid-19, a expectativa está alta e há quem esteja programando uma comemoração de 13 dias.

Embora a animação seja grande, atender à essa demanda, que deve crescer ainda mais, e garantir uma logística eficiente para que todos os materiais e ingredientes sejam entregues a tempo e em segurança, pode ser uma tarefa desafiadora.

 

O que não pode faltar em uma festa junina?

Festa junina é quase que um sinônimo de comida boa e afetiva. Tem que ter quentão, pipoca, amendoim, canjica, churrasco, pinhão, milho, arroz doce e muito mais. Isso sem contar as brincadeiras – pescaria, bingo, fogueira e danças típicas.

Mas, garantir que os ingredientes básicos destas festas tão esperadas cheguem a tempo em todos os estados brasileiros, de norte a sul, demanda muito planejamento e uma operação logística eficiente.

Afinal, os alimentos utilizados para preparar os pratos típicos são perecíveis e, geralmente, cultivados em locais mais distantes. 

O pinhão, por exemplo, é um produto típico que só é encontrado nesta época do ano. Proveniente da Araucária, planta nativa da região sul, sua colheita e comercialização são controladas pelos órgãos ambientais para garantir a preservação da árvore. 

O amendoim, por sua vez, que é um dos ingredientes-chave na festa junina, é cultivado em vários estados do Brasil, principalmente nas regiões sudeste, sul e nordeste. São Paulo, sozinha, é responsável por cerca de 80% da produção, sendo que parte deste total é exportada. 

Outro exemplo é o milho verde, que é produzido em larga escala em São Paulo e Paraná – a maior produção municipal, no entanto, é a de Jataí, em Goiás. 

Em um país onde a malha rodoviária é extensa e há um aumento considerável na busca por esses ingredientes nesta época do ano, planejar e otimizar os recursos de armazenamento e transporte são a chave do sucesso.

LEIA TAMBÉM: Sazonalidade no varejo pede mais organização do serviço de transporte

 

Dicas para garantir o abastecimento nas festas juninas

festa-junina-logistica-quermesse

Dois anos sem festa junina foram o suficiente para aumentar as expectativas, mas também as preocupações. 

Diante da alta do combustível e do preço dos alimentos, o abastecimento de insumos e ingredientes tende a causar uma ansiedade natural às transportadoras, caminhoneiros e clientes.

Para evitar problemas, é importante visualizar o todo: validade, rotas, tempo de viagem, disponibilidade e tipo de transporte a ser utilizado. Afinal, proteger os alimentos contra qualquer umidade (que pode causar apodrecimento do produto ou até surgimento de fungos) é o objetivo número um das transportadoras.

Neste ponto, um lembrete ainda mais importante: cada alimento possui suas particularidades e, por isso, a equipe de transporte precisa ser capacitada e preparada para realizar o trabalho com segurança, rapidez e qualidade necessárias.

Agilidade, aliás, é a palavra-chave quando falamos em transporte de alimentos, especialmente nesta época de festa junina. O curto espaço de tempo exige que todas as etapas logísticas sejam rápidas o suficiente para garantir a qualidade dos produtos. E é aí que entra a tecnologia.

Apostar em sistemas automatizados, capazes de integrar a cadeia e tornar processos burocráticos – como pagamento de pedágio e pesagem de caminhões –, um pouco mais ágeis e simples, pode ser essencial para que o transporte seja realizado a tempo.

Contar com Instituições de Pagamento Eletrônico de Frete (IPFEs) é o melhor caminho para tirar o melhor proveito da tecnologia. A PagBem possui um sistema que ajuda a sua transportadora a fazer a gestão de frete e pedágio, em caso de frota terceirizada, ou de gestão de despesas, caso a frota do seu negócio seja própria. Vale a pena conhecer!

LEIA TAMBÉM: PME no setor logístico: quais os desafios?

 

Reduza custos com as soluções da PagBem

Criada em 2015, a PagBem administra fretes e pedágios por meio de uma rede credenciada ampla que atinge diferentes partes do país.

Com a missão de facilitar a administração de frete rodoviário e pedágio, a PagBem oferece soluções financeiras, tecnológicas e de pagamento para toda a cadeia envolvida no transporte, envolvendo caminhoneiros, transportadoras, operadores logísticos e embarcadores.

Para conhecer melhor todas as soluções da PagBem, entre em contato conosco.

Posts recentes

Logística reversa: você sabe como funciona?

Logística reversa: você sabe como funciona?

Você certamente já ouviu falar em logística reversa, conceito que tem ganhado cada vez mais força no mercado mundial - especialmente no setor industrial e de transporte de mercadorias.  Em um cenário cada vez mais globalizado e competitivo, manter o equilíbrio entre a...

Armazenagem e transporte de carga: como alinhar os dois processos?

Armazenagem e transporte de carga: como alinhar os dois processos?

Você já parou para pensar no quão importante é o processo de armazenagem da carga? Ou, ainda, em como uma equipe integrada pode fazer toda a diferença na operação logística como um todo? O setor de transporte de carga é conhecido por sua complexidade, uma vez que é...

Turismo: confira dicas de passeio na cidade de Tubarão

Turismo: confira dicas de passeio na cidade de Tubarão

Com mais de 100 mil habitantes, a cidade de Tubarão, em Santa Catarina, é considerada a mais hospitaleira do Brasil. Mas, o título, que faz jus ao tratamento recebido pelos turistas, não é seu único ponto forte: a localização estratégica, entre o mar, a serra e a...

Receba nosso conteudo em primeira mão.

For security verification, please enter any random two digit number. For example: 60