O perigo do celular ao volante e a direção defensiva

O perigo do celular ao volante e a direção defensiva

Direção defensiva é o ideal para evitar acidentes nas estradas

O juiz Washington Timóteo Teixeira Neto, em atuação na 37ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, manteve a justa causa aplicada a um motorista de caminhão multado por manusear celular enquanto conduzia o veículo em rodovia estadual.

Por isso, é importante sempre ficar alerta com seu comportamento ao volante, para que acidentes possam ser evitados. Vamos elencar algumas boas dicas e práticas para uma direção defensiva, que previne inconvenientes e acidentes enquanto se dirige.

Atenção ao limite máximo de carga

Além de desgastar mais o equipamento, o excesso de carga prejudica o funcionamento dos freios e a estabilidade do caminhão, o que o torna mais suscetível a causar acidentes.

Utilização do farol alto

O farol é projetado para iluminar o maior espaço possível da faixa de asfalto, mas, o problema deste equipamento é que direciona a luz para um nível acima do farol baixo. Com isso, ele ofusca a visão de motoristas que estiverem a frente do caminhão ou no sentido oposto. O farol alto só deve ser usado em situações nas quais isso não ocorra.

Ultrapassagens só em local permitido

Ultrapassar em local proibido é uma das atitudes que mais gera acidentes graves nas estradas. No caso dos caminhões, a atenção nas ultrapassagens precisa ser redobrada, já que se trata de um veículo que carrega muito peso e tem menos agilidade do que um carro de passeio.

Pausas periódicas durante as viagens

Emendar entregas umas nas outras e virar a noite dirigindo costuma ser a forma dos frotistas de otimizar o tempo e ganhar mais dinheiro, mas isso pode resultar em sono e cansaço excessivo, por isso, é aconselhável pausas periódicas durante as viagens.

Cuidado redobrado com pista molhada

A pista molhada costuma ser traiçoeira, podendo gerar muitos acidentes. Por isso, se começar a chover, reduzira drasticamente a velocidade e tenha muita atenção à estrada e aos outros carros.

Já falamos sobre outros cuidados que você pode ter com seu caminhão e sobre os tipos de pneu e qual o ideal para o seu caminhão.

Continue conosco para muito mais do mundo dos caminhões e das estradas!

Fonte sobre o juíz e a justa causa retiradas do Blog do Caminhoneiro.

Os 5 mitos das mecânicas dos caminhões

Os 5 mitos das mecânicas dos caminhões

Óleo de mamona no chassi e descer no ponto morto para economizar o combustível são dois dos principais mitos sobre as mecânicas dos caminhões

 

Assim como em toda profissão, existem alguns mitos que fazem parte da rotina de todo motorista de caminhão. No entanto, alguns deles, principalmente os relacionados à mecânica de caminhões, podem não só prejudicar o desempenho do veículo, como colocar a vida do motorista em ricos.

Então, para ajudá-los a lidar com essas situações, listamos 5 dos principais mitos sobre a mecânica dos caminhões.

1. É necessário aquecer o motor do caminhão por 15 minutos

Costume herdado da época em que os caminhões não possuíam injeção eletrônica e óleos lubrificantes mais viscosos, o mito do aquecimento dos motores por 15 minutos passou de necessidade a costume sem justificativa.

Os tempos são outros e o motor do caminhão aquece rodando, pois diversos componentes não recebem calor para serem aquecidos: eixo traseiro, caixa de transmissão, embreagem, freios e rolamentos.

 

2. A válvula termostática não tem utilidade

A válvula termostática é uma peça que compõe o motor do caminhão. Ela é a responsável por regular a divisão de fluxo do líquido de arrefecimento entre o sistema do radiador e o motor.

Quando o motor está frio, a válvula termostática mantém o líquido de arrefecimento circulando apenas no motor, com o objetivo de aquecê-lo mais rapidamente. Se o motor estiver superaquecido, o líquido é transferido para o sistema do radiador.

No passado, as funções da válvula termostática não funcionavam muito bem, apresentando problemas frequentes aos caminhoneiros. Atualmente, esses defeitos são menos frequentes, porém, a má fama dessa peça ainda faz com que muitos motoristas optem por retirá-la.

Essa retirada provoca a redução da capacidade de arrefecimento do motor, pois o líquido deixa de circular entre ele e o sistema do radiador.

 

3. Descer no ponto morto economiza combustível

Quem desce no ponto morto faz com que a injeção libere mais combustível para fazer com que o motor possa continuar girando. Além de consumir mais combustível, descer no ponto morto sobrecarrega os freios.

A injeção eletrônica permite que, durante uma descida e usando o freio motor, o caminhão identifique que você não está acelerando. Isso faz com que ele corte a injeção de diesel.

Ao descer uma ladeira com uma marcha menor engatada, sem o acionamento do acelerador, o consumo de combustível será zero. A própria inércia do caminhão vai manter o motor girando sem a necessidade de injeção de mais combustível.

 

4. Óleo de mamona no chassi evita corrosão

Alguns motoristas têm o hábito de, após lavar o caminhão, borrifar óleo de mamona no chassi. A justificativa é que esse óleo ajuda a preservar o veículo de corrosões. Essa é uma prática condenável, pois o óleo de mamona funciona como se fosse uma cola. Ele ajuda na adesão de poeira, minérios e sujeiras.

Outra desvantagem da utilização de óleo de mamona no chassi do caminhão é o fato dele ressecar materiais emborrachados, como as vedações do veículo. Em vez de óleo de mamona, o correto é a utilização de produtos neutros e adequados para a manutenção do caminhão.

 

5. O radiador não precisa de aditivo

O aditivo no radiador tem a capacidade de transformar a água que está nele. Seu objetivo é ampliar os intervalos entre fervura e congelamento do líquido, evitando assim que ele superaqueça nas temperaturas mais altas ou congele nos invernos mais rigorosos.

O aditivo também possui propriedades anticorrosivas, protegendo as partes internas do motor contra corrosão e ferrugem.
Conteúdo e informações pegos no site da Chiptronic.
Como superar longas viagens

Como superar longas viagens

Os caminhoneiros passam muito tempo longe de casa e das pessoas que amam, mas como fazer para superar o cansaço das longas viagens e a saudade de quem ficou em casa?

Viagens longas podem significar maior retorno financeiro e mais estabilidade para o caminhoneiro e a sua família, mas ao mesmo tempo, é um desafio e tanto, estradas perigosas, locais desconhecidos e saudade da família podem atrapalhar na hora de viajar.

Por isso, é importante se lembrar das seguintes dicas para ter uma boa viagem:

Itinerário

Conhecer bem o seu percurso fará a sua viagem mais rápida e segura. E não estamos falando somente de conhecer os pontos de partida e de chegada, mas é importante calcular com antecedência onde se alimentar, dormir e abastecer o caminhão.

Manutenções preventivas

Serve para prevenir falhas e paradas na estrada, evitando maiores problemas em locais desconhecidos ou perigosos. Procurar uma empresa especializada é a melhor maneira de se adquirir esse serviço, que tem como vantagens a redução do envelhecimento de equipamentos, prevenção de paradas não previstas por dano, redução nos custos com manutenções corretivas e antecipação a defeitos.

Cuidado com a saúde

Para realizar viagens longas, além do bem-estar do seu bruto, você precisa, principalmente, cuidar de si mesmo, a sua saúde é o mais importante aqui. Manter uma dieta balanceada e se alimentar de três em três horas é essencial para conseguir manter o ritmo da viagem. Outro ponto crucial é a importância do descanso, lembre-se de fazer pausas de duas em duas horas para se livrar do sono e do estresse.

A saudade da família e de casa também é um agravante nessas viagens longas, mas para isso, o melhor é sempre tentar se animar, ouvir músicas que te façam lembrar das pessoas que você ama com alegria, escrever cartas para entregar quando voltar para casa ajuda a aliviar a saudade e nas paradas, ligar para casa e conversar com a família também é muito bom.

Essas outras dicas são parte do que você pode encontrar em nosso blog. Acompanhe sempre as nossas matérias e conte com nossos serviços no aplicativo ou peça seu cartão.

 

Entenda o caso das novas regras para o frete mínimo rodoviário

Entenda o caso das novas regras para o frete mínimo rodoviário

Fique por dentro de tudo o que está acontecendo com o frete mínimo rodoviário

A Agência Nacional de Transportes Terrestres, a ANTT, publicou no dia 18 de julho, que as alterações determinam que o cálculo passará a considerar 11 categorias na metodologia para os diferentes cálculos dos pisos mínimos, antes, não existiam categorias.

Mas, sob ameaça de nova greve dos caminhoneiros, o Ministério da Infraestrutura confirmou no dia 22 de julho, que pediu a suspensão das novas regras para o frete mínimo rodoviário para a ANTT.

No dia 30 de julho, aconteceu uma reunião entre o governo e o setor para tentar chegar a um acordo sobre o piso mínimo do frete rodoviário. Esta seria a segunda rodada de conversas do Ministério para evitar uma nova paralisação da categoria.

Após o primeiro dia de reuniões para tentar chegar a um acordo, os caminhoneiros, transportadoras e embarcadores demonstraram otimismo na construção de um consenso até o final da semana.

Confira os canais de contato da ANTT.

No blog Sou Caminhoneiro você fica por dentro das novidades importantes para os caminhoneiros.

Close Bitnami banner
Bitnami